Ábaco do males

O relógio marca o tempo que será perdido, e em um intervalo de um cigarro, tenho a certeza de que o peixe no aquário já esqueceu qualquer sentimento que o tenha acometido.

 

No ábaco dos males, louvai os peixes, que têm neles uma pedra só, não adicionam nem subtraem memórias, vivem sem pena, sem remorso, sem dó. São vão de histórias, mas com uma paz infinda, sem caraminholas que lhe comam a cabeça, não são melancólicos nem saudosistas. Rodopiam a sós, em seu cárcere de vidro, sem medo de mostrar ao observador o que estão sentindo.

 

Somos iguais aos peixes, mergulhados em nossas prisões. Somos todos solitários, trabalhando, em tudo que fazemos, para diminuir nossas solidões.

 

Mas enquanto os peixes, em suas estampas coloridas, no cromo cintilante, transparecem a essência de sua curta biografia, sem passado nem futuro, não ligando para seu degredo em algas artificialmente tingidas. Nós, no matiz de nossas escamas construídas, só escondemos a lembrança arredia. Fazemos de nosso corpo um cárcere de carne e tecido, para esconder o que o peixe não tem, e que por isso, contenta-se com as paredes de vidro.

 

Há quem diga que o dinheiro e as mulheres fazem o mundo girar, mas a solidão, é que nos faz por estes dois, incessantemente buscar. Não suportamos o exílio, incapazes de a nós mesmos suportar, ter que viver com nossas mentes, sem dos pecados poder se isentar.

 

Queremos a fuga rápida para aquilo que o peixe não remói, precisamos sobretudo, livrar nossas cabeças de pensar, ou quem sabe, de forma fugaz inocular o ácido de nossas reminiscências, que à cabeça corrói. Talvez seja por isso que parei distraído, pelas curvas do peixe, vendo-o em sua dança sem memória, sem pudor, sem libido - pura ocupação - mas que não ajudou-me a sair do lugar.

 

Por fim, acabei o cigarro, apaguei a luz e sai. E sem poder livrar-me do passado, fiz assim como o peixe no aquário, mais alguns minutos, e toda essa reflexão, já esqueci.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Entre. Vamos! Deixe-se seduzir. Siga o caminho mais curto. Acredite, simplesmente acredite, e farei seus problemas sumir. Venha futuro aluno sem luz, venha conhecer minhas soluções, atravesse o véu de minha tenda, que lhe prometo minhas melhores argumentações.

I

Envolto no fino vento soprado

os pensamentos lhe apagavam a vista.

Falava só sem ser escutado,

dialogava mudo com a senhora fantasia.

Ocupava cheio seu metro quadrado

- corpo calvo, feito bagaço - 

Chapéu no colo, crânio destapado, 

donde as idéias lhe fugiam em embaraço. 

À...

Olho para baixo: reflexo de mágoa na lâmina fria, fincada sobre o esterno que segura, através do aço, a asfixia. Excalibur em minha garganta, gosto de ferro na tosse contida. Pulmões em chama, queimam brônquios em atrofia.

A áspera língua que saliva mel, sente agora o gosto de cinza. E a antes pena preta que com tinta riscava o papel, soprada, encontra-se perdida. Da voz, um ganido torto, uma lembrança do assovio antes cantado. Um rouxinol quase morto. Desplumado.

Das trovadas me resta o...

Desejaria boa noite, se isso tivesse algum sentido. Desejaria, a muitos, consolo, se pudesse o ouvido dá-lo como o prometido. Desejaria mais palavras, quem sabe outras línguas, para que o peito surdo se acalmasse, e entendesse que saudade faz parte da vida.

Partiu-se o coração.

Comprou passagem e foi embora.

O corpo, largou em falência,

atravessando o pranto sem demora.

Correu à estação,

pulou pela a boca a fora.

E o peito, em urgência,

gritou: E agora?!

I

Parece-me tão leve

o peso de teu coração.

Parece-me tão bonita

essa tua ingênu...

Please reload

  • Facebook G.Pawlick escritor
  • Instagram G.Pawlick ilustrador
  • Behance G. Pawlick Ilustrador

Ilustrador | Santa Catarina - Brasil

0

Ilustrador tradicional e digital Brasil Santa Catarina Florianópolis Paraná Curitiba Rio Grande do Sul